Vejam um ciclista, ele gosta de ajudar as pessoas e de preservar a natureza

Olá Visitante
 


 
Artigos

Cinco anos do Rebas do Cerrado


Amigos do Rebas do Cerrado,

Dia 17 de agosto de 2008 foi um domingo comum do calendário e, como de costume e tradição realizamos mais um evento Rebas. Porém, este domingo teve um significado especial para as pessoas que viram nascer o nosso grupo. Há 5 anos atrás no dia 17 de agosto de 2003 nascia a "visão Rebas".

Poucos ainda remetem a esta origem apesar da juventude do grupo, mas solicito como numa homenagem, a paciência do leitor para o destaque a alguns pontos da nossa história.

Tínhamos em nosso meio uma pessoa alegre, entusiasta, despojada, autêntica nas suas ações e muito empreendedora. Essa pessoa Bob King, não vive mais, infelizmente. Para a tristeza da sua família, pois ele iluminava a nossa casa e também, certamente para o grupo.

A primeira Trilha Rebas...oito corajosos desbravadores


As suas intenções para com o grupo foram divertidas, originais e irreverentes, desde a origem deste belo contingente de ciclistas de domingo. Bob impulsionou o início do Rebas com a idéia do pedal de montain bike para pessoas comuns, clamou pela ajuda de ciclistas experientes para conduzir nas primeiras trilhas, grupos que ele considerava grandes de 20, 30 pessoas. Posteriormente, com esta excelente intenção mobilizou o primeiro evento grande na FLONA em 2004 com aproximadamente 200 pessoas.

Os homens do Grupo inicial: Marcão, Bob e Marcelino.


Divulgava as suas idéias aos
quatro cantos, incentivava a
todos com argumentos
favoráveis à nossa prática com muito empenho
e de forma tão convincente e alegre que as
pessoas começaram a nos procurar, queriam nos conhecer.
Uma das primeiras emoções, vencer o Alto Delírio.
Tornou-se uma "trilha ícone" para o Grupo.


Criou as expressões "missa dominical", nomeando simbolicamente as trilhas garantidas aos domingos, também o "manto sagrado", numa brincadeira carinhosa à religiosidade e para externar o respeito à nossa camisa. Popularizou nos seus dois anos de grupo o sentido e o "Jeito Rebas de Ser".

Superando Limites 2004, o Esperado Grande Evento.

Pessoas especiais fizeram parte deste começo, Marcelino dividiu com o Bob tais principais imagens de futuro e as intenções de transformar o Rebas em um grupo popular. À sua maneira também muito especial e entusiasmado, direcionava com marcas bem particulares de atuação, a organização e disciplina que o grupo precisava ter. As suas visões apontavam para a intenção de sermos o maior grupo organizado de MTB no Brasil.


PRIMEIRAS PROVAS DE CICLISMO


Os Rebas invadem o 100 Km do cerrado em 2004... Muitos, como o saudoso e querido Walter
não resistiram a emoção da autosuperação.


Um sonho mais difícil. O Rebas no Iron Biker.
4 autênticos Rebas no Desafio das Montanhas.
2 anos depois, uma comitiva de 33 Rebas e o trio
mais famoso da prova: Walter, Marcelino e Foca.


Tais ações estruturaram o funcionamento operacional do grupo e se mantêm até hoje. Marcelino, instituiu a idéia da Estrela Rebas para as pessoas que venciam o desafio da trilha difícil. Uma trilha difícil, uma estrela branca, cinco estrelas brancas, uma estrela verde, cinco estrelas verdes, você passa a ser um legítimo Montain Bike Veterano. Coisas de Marcelino e Rebas....

Marcelino impulsionou também a mais bela obra social do Grupo. O Projeto DV se torna realidade em 2005. Deficientes visuais integram o grupo. Muitos outros fatos contribuíram para o andar da carruagem da noss história. Pessoas excelentes chegaram, ficaram, algumas se foram e entregaram a sua valiosa contribuição de forma pontual ou durante meses e anos. Tem pessoas lindas em nosso meio apoiando, trabalhando e defendendo o Rebas desde o começo do grupo até hoje.

A entrega da primeira bicicleta tandem do projeto


Os Rebas DV´s se tornam famosos, são indicados para prova Seletiva da Paraolimpíadas em 2006.

E dá-lhe pódio!



Como fundadora, incentivadora e atriz deste movimento maravilhoso, estou na coordenação desde dezembro de 2004, dividindo com o Marcelino, Emanuel, Márcio Bittencourt e atualmente Débora e Edu momentos de muita emoção e o empenho em manter os princípios originais do grupo.
Fizemos e queremos sempre tudo o que estiver ao nosso alcance para esta mágica continuar e cremos que a HISTÓRIA DO REBAS é um dos fatores de seu crescimento e do seu valor.

Apoiando o Rodas da Paz no trânsito - Passeio Rodas 2008.

Nesta data de aniversário de 5 anos do grupo não tivemos festa formal no dia, nos orgulhamos e queremos apontar a todos um incrível sentimento.Trata-se do orgulho de olhar para trás e com pouco esforço estimar uma contabilidade de 5 anos de trilhas semanais com a participação de 50 a 100 ciclistas em média, de organizar e apoiar eventos importantes e grandes como o Superando Limites, o Audax, lembrar da nossa alegre participação em 4 edições do Iron Biker e, principalmente sabermos da iniciação de mais de 1000 ciclistas neste poderoso esporte. O montain bike seguramente fortalece o corpo e a mente.


Confraternização de Natal 2004 Rebas e PNDF - Natal de 2007


Enfim, recebemos muitas mensagens espontâneas ao longo destes 5 anos. Frases tais como "O Rebas mudou a minha vida", até depoimentos longos e sensibilizados pelas experiências vividas no nosso meio.

O CONVITE:

Quero convidar a todos que quiserem que postem nestes próximos dias os seus depoimentos na lista de discussão. Com qualquer formato. Não há fórmula ou qualquer discriminação. Fale aos amigos sobre o sentimento que tem em pertencer a esta grande família. Escreva o que achar de direito. Queremos homenagear o grupo que existe pelo empenho de todos. Creio que teremos um acervo de histórias muito legais e para usarmos em uma publicação futura, por que não?

Aos nossos membros um excelente aniversário de Grupo e...

"Vida Longa ao Rebas do Cerrado"

Janice Pereira

Coordenação do Rebas do Cerrado


DEPOIMENTOS DOS AMIGOS REBAS


Rodney Pimenta Loureiro

Eita !!!!!

5 anos hein !!!!

É emocionante saber que o grupo já tem este tamanhão todo em tão pouco tempo.

A idéia maluca dos velhos barrigudos deu certo mesmo né? Que BOM !!! Nada é por acaso nessa vida, se o Rebas é este GRANDE GRUPO que é hoje, é porque tem GRANDES pessoas por trás, nos bastidores. Pessoas que se foram, pessoas que ficaram, e outras tantas que vieram para somar, ajudar o Rebas a crescer sem pedir nada em troca. O sonho do nosso GRANDE Bob King se concretizou, fortaleceu e está ai todo domingo para quem quiser ver e participar.

O que sempre me impressionou desde o começo, e vive até hoje no REBAS é o carinho, o respeito, e o aspecto voluntário das pessoas.

Este sempre foi o jeito Rebas de ser e espero que assim continue pra sempre.

Eu como veterano do grupo me sinto orgulhoso de fazer parte de tudo isso, e parabenizo o REBAS e a TODOS que com prazer e muita alegria comparecem as nossas missas dominicais !!!

Visto aquela verdinha com muito orgulho !!!

SALVE, SALVE REBAS DO CERRADO !!!

Rodney Pimenta Loureiro
Um REBA de carteirinha.


Dênis Marcio

Janice e demais colegas,

Estive em Brasília no ano de 2004, em transferência provisória na Empresa onde trabalho. Antes de minha vinda, as pessoas, quase em unanimidade , diziam: "lá, o final de semana para quem é de fora e está sozinho é deprimente, algo horrível!".

Vim com essa visão e minha bicicleta para enfrentar essa coisa tenebrosa, mas eis que deparo-me com o saudoso Bob King e sua entusiasmada recepção em nome do grupo, enfrentando logo de início o Alto Delírio - claro que com grande dose de irresponsabilidade minha, claro!

A partir de então, alterou-se completamente aquela visão negativa inicial da cidade e tornei-me um Rebas de carteirinha, onde os domingos já tornavam-se ansiosamente esperados...

Muitas trilhas se contaram a partir daí e em 2005 retornei para Belém, onde levei o jeito Rebas de ser e apoiei o nascimento de um grupo paraense, a EART (http://www.eart.esp.br), com filosofia muito parecida.

Já em 2007, retorno novamente a Brasília, dessa vez em definitivo, com recepção igualmente calorosa de Janice, Marcio e Cia. – como diria em minha terra, muito "pai-d'égua"!

E aqui estou, um pouco ausente das últimas trilhas dominicais por motivos diversos, mas espiritualmente presente com todos os amigos pedalantes e sempre lendo os relatos. Retornarei em breve, certamente.

Por isso, reforço os parabéns pelos 5 anos e.... *vida longa aos Rebas!!!*

Grande abraço,

Dênis Marcio


Flávio Medeiroso

Parabéns Rebas!!!!!!!!!

É com muita alegria que dou os parabéns ao grupo Rebas do Cerrado. Um grupo que conta com o esforço de vários voluntários que se dedicam intensamente para preparar as trilhas para nossos encontros dominicais, pessoas que se entregam sem esperar nada em troca, apenas a satisfação de cada um de nós.

E é nesse momento de aniversário do grupo que quero desejar muita saúde e muita força a cada um que torna esse grupo cada vez mais envolvente, sejam os organizadores, sejam os participantes que se dedicam apenas com a presença em suas magrelas, e assim, juntos, tornando cada vez mais animadao e viciante os domingos.

Longa vida e força a esse grupo tão forte que é o Rebas, nunca deixemos se apagar a idéia que teve o nosso fundador.

Flávio Medeiros


Nani Estrela

Entrei pra família Rebas no dia 1º de agosto de 2004, o grupo realizava a trilha Unipaz. Meio sem pensar, aceitei o convite do Mineirinho(hj meu marido) de fazer uma trilha, acordei cedo e tal e quando formos colocar as bikes no carro foi que me lembrei, caramba... eu não pedalava desde os 14 anos, e agora?

Cheguei ao ponto zero "sem graça", me borrando de medo, mas fui recebida pelo sorriso largo do nosso anjo da guarda, "Grande Bob King".

Ele perguntou meu nome e disse: "- Seja bem vinda Estrelinha, eu tenho certeza que depois de hoje você nunca mais vai parar."

Ele tinha toda razão, no final da trilha eu ria e chorava, tinha amado aquela loucura e odiado meu péssimo desempenho(como se nossa família ligasse pra isso), não sabia direito o que sentia, mas tinha certeza que não deixaria mais de pedalar.

Hoje, depois de 4 anos na família as vezes passo um tempão sem aparecer, mas como dizem alguns amigos "ressurjo das cinzas" e lá estou eu, feliz da vida pedalando e exibindo com orgulho "nosso manto".

É isso, Parabéns família, vida longa aos Rebas do Cerrado e vamos pedalar!

Com carinho e gratidão,

Nani Estrela


Velha Tribo

Felicitamos aos camaradas rebas por mais este ano de simpatia e receptividade, quem diria hein ????? cadê aqueles caras que vos chamaram de rebas ????? será que ao menos pedalam ainda ???!!!! é isso aí...

REBAS COM MUITO ORGULHO


Rívia Greice

Rebanho,

Depois de admitir e ter a coragem de me olhar no espelho, sem desculpas, sem fantasmas ou fantasias só agora pude perceber que ele (o espelho) sempre revelou tudo de mim, e comecei a pensar como tenho agido diante das pessoas que amo...

Descobri que agora o tempo é de muita calma e lucidez. Apesar de o tempo correr mais do que "bandido do Adalberto" (hehehehe) sei que ainda tenho muito tempo para esperar as coisas acontecerem e se acertarem, porém, não posso e não devo deixar as coisas acontecerem por si só – preciso fazer a minha parte né?

Não dá pra gente ficar esperando a felicidade cair na nossa cabeça, precisamos ir atrás dela. Correndo, nadando, pedalando... Não importa como.

Estou me sentindo um pouco tímida, afinal de contas nunca fiz nenhum relato ou depoimento que fosse para o Grupo – e como muitos sabem sou uma pessoa bastante introspectiva (daí a minha dificuldade).

Pois é, apesar de ter uma família maravilhosa, depois que perdi minha mãe, andei me perdendo também, não me perdendo nas trilhas (coisa rara!), me perdendo de mim mesma, das pessoas, da minha família tão querida, dos meus amigos, me perdendo de Deus, da Vida. Na realidade eu nunca havia tido uma convivência assim. No início tive medo (não sei por que, mas as pessoas para mim deixaram de ter importância e criei um Mundo onde só havia eu e eu).

Meu ingresso no Rebas foi uma experiência totalmente nova! Muitas vezes eu ficava olhando aquelas pessoas (várias, muitas, cada uma totalmente diferente da outra – eu digo: "não enquanto SER, enquanto PESSOA, "a" nível de si mesma", mas diferentes classes sociais, culturais, raças e ao mesmo tempo tão iguais. Incoerência? Não.

Difícil definir em uma única palavra: Seria SOLIDARIEDADE?

Não, é pouco. AMIZADE?

Pouco ainda. COMPANHEIRISMO?

Também não. COMPAIXÃO? Não.

Já sei! – SOLIDACOMPANHEIXÃO.

Isso, isso, isso. Não existe esta palavra? Como não? Se existe um significado para ela como ela não existe? O sinônimo de SOLIDACOMPANHEIXÃ O é REBAS.

Vocês me mostraram que na realidade eu não estava perdida, apenas desencontrada e que não existe nada mais importante na vida do que o relacionamento entre as pessoas (se amando, se escalpelando, discutindo, fazendo as pazes, se ajudando, se gostando... enfim). Não corri atrás da felicidade. Encontrei essa danada pedalando (UFA!) – Nunca tinha pedalado uma bike com marcha na vida! Aliás, a última vez que havia pedalado (o que não faz tanto tempo assim) estava com mais ou menos uns 13 anos, minha monark dobrável ("xique" no "úrtimo" galera).

Queria continuar tendo esse relacionamento bacana com vocês pro resto da vida! Bá guris vocês são o máximo: a simplicidade da simplicidade, a humildade da humildade.

Ver o sorriso da "Debrinha" quando chego nos pontos de encontro é como chegar em casa depois de um dia "daqueles" no trabalho, abrir a porta e vir cachorro, menino, papagaio, todos loucos de saudade de você e cheios de novidades pra contar do dia (a gente esquece tudo! Os problemas simplesmente desaparecem).

A doçura da Janice, o Bite fazendo "bico", mas nunca desviando a atenção da missão (sempre pronto pra empurrar, carregar, segurar a cabeça para um "pau de rato "infeliz" (hehehehe) vomitar, que resolveu que daria conta de fazer uma trilha difícil sem nunca ter feito uma fácil!

Todos perguntando pra você como vai? E realmente querendo ouvir uma resposta.

O meu sanduíche favorito indo e vindo (chegando a fazer a trilha, pelo menos, 4 vezes) pra ver se está tudo bem com a Galera, né Bauru?

o Edu se perdendo e fazendo todo mundo se perder, apesar da Planilha, da Bússola e do GPS (pequenos detalhes), a preocupação em se saber porque o "LXPT" não apareceu hoje na trilha? Saudade do Adolfo (volta logo cara!). A certeza de que todos estão "morrendo" de saudade de mim (metida....)

Prometo voltar logo Galera, inteirinha, pra poder rolar na relva e me escorregar nos barrancos e descidas e subidas, simplesmente porque me distrai olhando uma flor ou uma borboleta, ou um passarinho e esqueci apenas de um pequeno detalhe: "a trilha".

O grande segredo do nosso grupo está neste amor incondicional. Neste aceitar cada um como ele é e pronto. Nosso segredo está em não exigir das pessoas mais do que elas aprenderam e podem nos dar, pois sabemos que estão fazendo o seu melhor.

Este querer bem. A preocupação em não ferir e magoar o outro. Este saber que cada um é único, e da sua importância no grupo e que por isso temos a obrigação de cuidar um do outro e, se possível, até ajudá-lo a buscar sua felicidade – Pois a partir do momento em que você se torna um REBAS, passamos a fazer parte do caminho de cada um.

AMO TODOS VOCÊS... DE VERDADE... MUITO SAUDADES...

Da sempre REBAS (Ex Estagiária)

Rívia Downhill


Marta Cantarino

Nunca é tarde para desejar feliz aniversário, ainda mais de quem amamos...

Respeito
Espírito
Bravuras
Asas
Saudades

Faço parte de coração deste grande grupo que me abraçou e por quem tenho muito orgulho. Graças ao Grupo, pude conhecer pessoas maravilhosas que hoje fazem parte da minha vida. Tive a oportunidade de aprender e crescer com todos , que passaram e passam pelos nossos caminhos , Incentivadores de saúde e alegria ...

Agradeço todos os domingos ao Rebas por ele existir....

Muito Obrigada,

Marta Cantarino


Rogéria Barcelos

Entrei no grupo em fev/2005 e, a partir daí, minha vida mudou.

Minhas manhãs de domingo nunca mais foram as mesmas. Estão sempre divertidas, "sofridas" e esperadas com ansiedade.

Participar de um grupo tão amigo, tão organizado, tão legal me faz feliz, me faz pertencer

A cada domingo que vou (tenho falhado em mtos) volto pra casa com a sensação de que sou importante, de que mereço fazer parte de um grupo assim, demais assim.

Enfim, tenho ORGULHO de ser uma REBAS. Parabéns REBAS DO CERRADO pelos seus 05 anos!!!

Rogéria


Vejam alguns outros depoimentos...

Gaúcho
Ser Rebas é...

Eduardo Bürgel
Feliz 2008

Uirá França Carneiro
Estréia no Rebas

Kleber Rocha
O espírito Rebas

Leliane Souza
A experiência de ser Rebas/PNDF/Rodas da Paz, com todos vocês

Caroline Olívia
A primeira trilha Rebas a gente nunca esquece

Ormina
O ano Rebas 2006

Gaúcho
Vida Longa ao Rebas do Cerrado

Gaúcho
Minha Camisa Rebas

Carlos Mozart
Só quero que...

Vitor Lapidus
Um ano Rebas

Jussiara Rocha
Um ano Rebas

Marca registrada Rebas do Cerrado - Nota de rodapé do site
Webdesigner: Débora Alves

A primeira versão deste site foi construída por Eliézer Roberto Pereira , Bob King, um dos fundadores do Rebas do Cerrado que infelizmente nos deixou em dezembro de 2004.

Posteriormente o nosso amigo Marcelino Brandão Filho, também fundador e coordenador do grupo por 6 anos, desenvolveu com dedicação ímpar uma nova versão. Marcelino faleceu em julho de 2013 e além do site deixou entre outros legados importantes a padronização dos procedimentos de operacionalização e condução dos eventos Rebas.

Mantemos a página principal o mais próximo possível do desenho original em homenagem aos dois fundadores.

As marcas Rebas® e Rebas do Cerrado®, bem como o logotipo® do grupo Rebas do Cerrado são Marcas Registradas® pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial(INPI), com todos os Direitos Reservados.