Vejam um ciclista, ele gosta de ajudar as pessoas e de preservar a natureza

Olá Visitante
 


 
Artigos

Câmbio-dicas de uso e upgrade

Durante as subidas a tensão na corrente é bem grande, por isso ao mudar surgem barulhos.
Sempre é interessante antever as mudanças de marcha antes das subidas.
Se não puder evitá-las deve-se no mínimo aliviar a pressão nos pedais para facilitar a mudança.
Nos melhores componentes isso será feito em meia pedalada, nos mais simples pode levar até 3 pedaladas completas.
O câmbio dianteiro sofre mais do que o traseiro nas mudanças sobre pressão por uma questão lógica: o descarrilhamento é feito na parte tensionada da corrente, enquanto na traseira o descarrilhamento ocorre na parte frouxa da corrente.
Na dianteira, por mais top que sejam os componentes irá fazer um barulho grande e longo, na traseira o barulho é um clique de um único dente estralando.
Não se deve dar meia volta pra trás nos pedais durante a cambiada, pois o câmbio estará fora da posição engatada na catraca/coroa, causando descarrilhamento contrário e/ou danos à transmissão.
Pedale para frente, se possível force um pouco os pedais para ganhar inércia (velocidade) e poder aliviar o pé durante o momento da mudança de marcha.
Quanto mais avançado for o sistema de câmbio, com aquelas ranhuras nas catracas, corrente e coroas, dentes mais baixos que outros, recortados para dentro e para fora, além daquelas rampas arrebitadas/fresadas nos componentes, mais fácil será a troca sobre essas condições.
E aí não tem jeito: esses "badulaques" só estão presentes na alta gama, GERALMENTE acima da linha Shimano Alivio. Por exemplo: existem correntes com tratamento de teflon que deslizam melhor em seus movimentos laterais (cambiar).
Também os tratamentos superficiais de níquel presente nos cassetes e corrente e os cabos teflonados de um XTR auxiliam um pouco.
É sempre importante ter a melhor regulagem possível dos câmbios, pois estes são feitos de uma maneira que não há apenas uma regulagem correta, mas sim uma GAMA, uma AMPLITUDE de ajustes que irão funcionar.
Dentro dessa amplitude irá ter um ajuste que pode ser considerado o MAIS CORRETO. Um câmbio novo terá uma grande amplitude de ajustes que ficarão o.k., um câmbio velho terá a amplitude reduzida até o dia em que nenhum ajuste mais será satisfatório.
Aí é que entra o ponto: a gama de um Deore, XT ou XTR é infinitamente maior que de um câmbio TY... e isso irá refletir na durabilidade total dos componentes.
A questão é o quanto de tempo pode uma peça te dar uma performance satisfatória.
Mesmo quando uma peça apresenta um desgaste se pode fazer uma regulagem compensatória: se a mola de retorno está "cansada" podemos regular o câmbio com uma descida de marchas facilitadas. Logicamente será pior do que um câmbio zero, mas dá pra levar um tempo assim.
Aos que se perguntam, o que upgradar, minhas dicas de precisão/benefício:
1o. - Faça upgrade nas alavancas de câmbio. A maior diferença está aqui, compre a melhor que conseguir.
2o. - Upgrade nos cabos e conduítes, estes sendo sempre do tipo rígido com fios transversais, não espiralados. Conduítes de cabo de câmbio são diferentes dos de freio, ao cortar vê-se vários fios retos e não uma mola. Cabos de teflon ajudam bastante. Ah! E mande cortar o conduíte que entra no câmbio traseiro com um tamanho GRANDE. Não pode haver nenhuma curva acentuada nos conduítes, devem entrar em seus suportes sempre paralelos. De tanto em tanto o que entra no câmbio traseiro precisa ser cortado pois a ponta se amassa. Por isso deixe-o grande e vá reduzindo com o tempo.
3o. - Upgrade no cassete. Normalmente os cassetes Alivio/Deore representam o máximo de tecnologia disponível em mudança, acima deles só varia peso.
3o. - Upgrade na corrente. Procure uma corrente da mesma marca do cassete, parece bobagem, mas funciona muito melhor os componentes casados, foram projetados um para o outro.
4o. - Upgrade no câmbio dianteiro, os que pegam "por baixo" são mais duráveis e fáceis de ajustar. Algumas bikes com tubos de selim grossos (34,9mm) apresentam problemas inerentes ao desenho do quadro e necessitam de uma caixa de centro com eixo mais largo para resolver esse tipo de problema.
5o. - Faça upgrade na coroa. O LX tem todas as funções do XTR, só que pesa mais.
6o - Upgrade no câmbio traseiro. Último lugar para dar o upgrade, a não ser que o teu original seja muito destoante do resto da bike. Os de alumínio (Alivio pra cima) apresentam pouca diferença além do peso.

Abraço,

Marcelo Iannini

Texto enviado por Marcelo Iannini para a lista de discussão do Rebas do Cerrado em 22Nov2006

Marca registrada Rebas do Cerrado - Nota de rodapé do site
Webdesigner: Débora Alves

A primeira versão deste site foi construída por Eliézer Roberto Pereira , Bob King, um dos fundadores do Rebas do Cerrado que infelizmente nos deixou em dezembro de 2004.

Posteriormente o nosso amigo Marcelino Brandão Filho, também fundador e coordenador do grupo por 6 anos, desenvolveu com dedicação ímpar uma nova versão. Marcelino faleceu em julho de 2013 e além do site deixou entre outros legados importantes a padronização dos procedimentos de operacionalização e condução dos eventos Rebas.

Mantemos a página principal o mais próximo possível do desenho original em homenagem aos dois fundadores.

As marcas Rebas® e Rebas do Cerrado®, bem como o logotipo® do grupo Rebas do Cerrado são Marcas Registradas® pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial(INPI), com todos os Direitos Reservados.